Quarta, 19 de Janeiro de 2022
27°

Pancada de chuva

Alagoinhas - BA

Bahia Saída da Ford

Saída da Ford deixa rastro de desemprego e devasta economia de Camaçari

Da fábrica fechada de Camaçari, restaram os pátios vazios e as placas da avenida que ganhou o nome de Henry Ford, fundador da montadora. Dos funcionários, ficou a união em grupos de aplicativos de mensagens que se tornaram uma espécie de espaço de apoio mútuo pela perda dos empregos.

11/01/2022 às 12h31
Por: Redação Fonte: Bahia Notícias
Compartilhe:
Saída da Ford deixa rastro de desemprego e devasta economia de Camaçari

Da fábrica fechada de Camaçari, restaram os pátios vazios e as placas da avenida que ganhou o nome de Henry Ford, fundador da montadora. Dos funcionários, ficou a união em grupos de aplicativos de mensagens que se tornaram uma espécie de espaço de apoio mútuo pela perda dos empregos.

 

 

 

 

O anúncio de encerramento das atividades produtivas da Ford no Brasil, que completa um ano em 11 de janeiro, deixou rastro de desemprego, queda na produção industrial e baque em efeito cascata na economia de Camaçari. No início de 2021, a empresa também comunicou o fechamento das fábricas em Taubaté (SP) e Horizonte (CE), além da unidade baiana.

 

 

Camaçari abrigou a primeira indústria de automóveis do Nordeste após uma longa batalha política e fiscal na década de 1990 e virou um polo de desenvolvimento nos anos seguintes. O encerramento das atividades piorou o já frágil cenário para a economia da região, afetando especialmente o futuro dos prestadores de serviços que se estabeleceram no local para atender a operação.

 

 

O fechamento da fábrica impactou o comércio e o setor de serviços da cidade, sobretudo os ramos de educação e imobiliário. A prefeitura estima que, apenas em salários dos funcionários diretos da Ford e de sistemistas, cerca de R$ 20 milhões deixaram de circular mensalmente na economia local.

 

 

Instalada em bairro planejado que cresceu no entorno da fábrica, a loja de material de construção de José Edmílson Oliveira, 49, teve uma queda de 40% no faturamento em 2021: "A Ford agregava muitas empresas. Esse pessoal costumava comprar aqui".

 

 

 

Escolas e faculdades particulares, por exemplo, perderam alunos. O índice de desligamentos atingiu 50% em alguns cursos. O impacto foi tamanho que a prefeitura teve de abrir um refinanciamento de dívidas tributárias dos estabelecimentos de ensino.

 

 

"A massa salarial era injetada na economia local. Era um dinheiro que ia para consumo, para serviços e aluguéis dos imóveis onde funcionários da Ford moravam. Parte disso se perdeu", afirma o secretário de Governo de Camaçari, Helder Almeida.

 

 

Também houve um baque na arrecadação do município -apenas em tributos municipais, a perda foi de R$ 50 milhões por ano. Mas a redução de receita será ainda maior quando for recalculada em 2023 a distribuição da cota do município do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), tributo recolhido pelo estado.

 

 

É mais difícil mensurar, no entanto, o impacto na vida das pessoas. Os milhares de funcionários demitidos tomaram diferentes rumos. Parte voltou para suas cidades de origem, outros montaram pequenos negócios e teve até quem usou o dinheiro da rescisão para comprar um carro e se tornar motorista de aplicativo.

 

 

A maioria tem futuro incerto. Celso Ricardo Moreira, 43, por exemplo, trabalhou por 20 anos na Ford. Começou no chão de fábrica e chegou a inspetor de qualidade. Após a demissão, abriu uma empresa de administração de condomínios, mas ainda está em busca de seus primeiros clientes.

 

 

 

"Decidi trabalhar por conta própria e estou tocando a empresa devagar. É difícil conseguir uma nova vaga na indústria porque não tem mercado de trabalho para tanta gente", afirma.

 

 

Seu colega Iomário Silva, 26, também dá os primeiros passos na sua empresa de instalação de placas de energia solar. A transição não é fácil, conta. Neste mês, o plano de saúde dos funcionários demitidos, que foi estendido por um ano, será suspenso e isso lhe traz preocupação.

 

 

Entre os meses de janeiro e novembro de 2021, o setor de veículos, reboques e carrocerias fechou 4,8 mil empregos formais na Bahia, indicam dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do governo federal.

 

 

O saldo mede a diferença entre demissões e contratações. Das 4,8 mil vagas perdidas, 4,6 mil foram registradas em Camaçari.

 

 

O impacto na economia local só não foi maior porque parte dos demitidos ainda permanece na cidade e se mantém com o dinheiro recebido na rescisão. É o caso de Charles Alencar, 49, que trabalhou na montadora desde o início das operações, no setor de estamparia, e agora está desempregado há um ano.

 

 

Com dificuldade de se recolocar no mercado por causa da idade, também decidiu abrir um negócio. Mas preferiu esperar a crise da pandemia arrefecer. Seu colega Edson Pereira, 52, é outro que segue sem emprego: "A situação da maioria é de ansiedade e preocupação com a família".

 

 

 

Números calculados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) sinalizam que a indústria baiana foi atingida com força pela saída da montadora.

 

 

No acumulado de janeiro a outubro de 2021, a produção de veículos automotores, reboques e carrocerias despencou 94,6% no estado nordestino. O Brasil teve alta de 28,2% em igual intervalo.

 

 

Com o baque no setor automotivo, a produção industrial da Bahia, em termos gerais, foi puxada para baixo: houve queda de 13,1% até outubro.

 

 

É a maior retração, com folga, entre os 15 locais pesquisados pelo IBGE no ano. O segundo maior recuo na produção industrial, de 5,2%, foi registrado em Mato Grosso.

 

 

"A queda na Bahia está muito ligada ao fechamento da Ford", aponta o economista João Paulo Caetano, da SEI (Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia), vinculada ao governo estadual.

 

 

À época do anúncio do fechamento da montadora, o órgão projetava que o fim das operações em Camaçari poderia gerar um baque anual de cerca de R$ 5 bilhões para a economia baiana, o equivalente a 2% do PIB (Produto Interno Bruto).

 

 

Segundo Caetano, o valor exato das perdas só poderá ser calculado a partir da divulgação do PIB de 2021, o que ainda não ocorreu.

 

 

ESTADO BUSCA INTERESSADOS

 

 

O governo estadual afirma que, em 2021, a Bahia perdeu cerca de R$ 280 milhões em arrecadação com o encerramento das operações da montadora.

 

 

O cálculo leva em consideração o ICMS direto e o recolhimento ao Fundese (Fundo de Desenvolvimento Social e Econômico).

 

 

Para reparar os impactos, o governo tenta levar novos investimentos para Camaçari. A administração estadual indica estar em negociações com o setor automotivo, mas ainda evita citar nomes de companhias que teriam interesse em preencher o espaço deixado pela Ford.

 

 

"Todo o esforço do governo está sendo feito no sentido de atrair outra grande indústria para ocupar a área da Ford em Camaçari, pois esse é o modo mais direto e eficaz de neutralizar os efeitos da saída da empresa", diz o governo.

 

 

O estado também menciona que foi indenizado em R$ 2,1 bilhões pela Ford após o encerramento das operações, recursos que foram agregados ao orçamento em 2021.

 

 

 

Superintendente da Fieb (Federação das Indústrias do Estado da Bahia), Vladson Menezes considera que a mão de obra qualificada pode ser um chamariz para eventuais interessados em substituir a montadora. Mas isso, por si só, não é suficiente, diz.

 

 

Menezes entende que o estado precisa buscar avanços em áreas como infraestrutura, e incentivos fiscais serviriam para dar competitividade para a instalação de novos negócios, segundo ele.

 

 

Além disso, também é importante um ambiente político e econômico menos incerto no Brasil, o que fica mais complicado em ano eleitoral, avalia.

 

 

"Quanto mais esse processo demorar, mais difícil vai ficar a situação, porque as empresas sistemistas estão deixando de operar ou porque uma parte dos trabalhadores pode estar migrando para outros setores", afirma Menezes.

 

 

Procurada pela reportagem, a Ford não deu detalhes sobre o impacto em suas operações causado pelo fechamento das fábricas no Brasil. A empresa informou que "o mercado brasileiro ainda é um dos maiores da América Latina e, portanto, extremamente relevante para a Ford".

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Alagoinhas - BA Atualizado às 18h48 - Fonte: ClimaTempo
27°
Pancada de chuva

Mín. 20° Máx. 32°

Qui 30°C 19°C
Sex 30°C 19°C
Sáb 31°C 20°C
Dom 30°C 19°C
Seg 30°C 19°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Enquete
Anúncio