Os empresários e comerciantes de Alagoinhas se reuniram na tarde de hoje (27) e se posicionaram contra a proposta da prefeitura de decretar lockdown nos próximos dias, uma forma de contar, segundo a administração, o avanço no número de casos do coronavírus.

A reunião aconteceu no auditório da CDL e foi coordenada pelo presidente da entidade, Bruno Fagundes, que convidou outras cinco instituições que compõem o Comitê de Controle do Coronavírus para discutir com o empresariado a situação geral do comércio.

UAMA, UARA, os vereadores Roberto Torres –presidente da Câmara-, Thor de Ninha e Juracy Nascimento, e os convidados Radiovaldo Costa e Fabrício Faro, debateram durante toda a tarde os impactos do locdown e, principalmente, a antecipação dos feriados, como ocorrido na última segunda-feira e terça-feira, feriados de São João (24 de Junho) e 2 de Julho (Emancipação da cidade).

Na pauta, a discussão em torno de um projeto da Prefeitura de Alagoinhas que prevê a antecipação dos feriados de Corpus Cristi (11 de Junho) e Dia dos Namorados (12 de Junho), formando um feriadão.

Os empresários advertem que essa é uma datas de maior movimentação de vendas no comércio local, gerando um prejuízo muito grande. “O comércio não deve ser o maior foco de contaminação do coronavírus, pois as pessoas estão obedecendo o uso da máscara, distanciamento e higienização das mãos, mas nos bairros, onde elas abandonam os hábitos adquiridos desde a edição do decreto que prevê tal exigência”, disse Bruno Fagundes.

A adoção do lockdown foi rechaçada pela maioria, principalmente porque o prefeito tem tomado suas decisões unilateralmente, sem consultar os membros do Comitê.

“Nós fomos informados no sábado à noite através de uma notícia de site (gazeta dos Municípios), que o comércio seria fechado na segunda-feira e terça-feira passados, criando transtorno para quem já planejava abrir seus estabelecimentos”, disse um dos presentes.

Vários assuntos inerentes aos decretos foram lembrados, a exemplo da diminuição da frota de ônibus e a superlotação registrada em alguns deles; O grande número de pessoas sem usar máscaras nos bairros; Que o comércio, apesar do grande número, não é o grande disseminador da doença; Que o comércio de Alagoinhas já fechou 60 empresas e fechou 500 postos de trabalhos; que a antecipação dos feriados não resolve o problema; Que a abertura do comércio até as 14h acaba provocando  uma grande concentração de pessoas dentre outros fatos.

Vanderley Soares

DRT 4848

4 Comentários

  1. “pois as pessoas estão obedecendo o uso da máscara, distanciamento e higienização das mãos” onde isso? Os empresários são contra pq não são eles que vão lá trabalhar e sim seus funcionários que ficam expostos e arriscam a sua família. Se morrer contratam outros, para eles tanto faz

  2. Eu concordo que o foco de disseminação do virus não está no comercio, e sim… Nos bairros! Canso de ver nos bairros as pessoas sem máscaras, fazendo visitas a amigos, churrascos na frente de casa, como no Loteamento Sta Terezinha, na Baixa do Corte, na Pça Sta Izabel, na URBIS do Carneirao, no Petrolar mesmo, são inumeras pessas a noite mesmo com toque de recolher que não tem nenhuma fiscalização nas ruas!

    É como citei a alguns dias atraz que esse toque de Recolhet e Pizza da no mesmo, porque nem a Prefeitura Mantém vigilancia nas ruas por poucas viaturas da guarda municipal, e nem a PM tem guarnição suficiente para atender os chamados emergenciais de alta prioridade para ficar pastorando a população que gosta de farrear..

    É como o PREFEITO de SSA falou… Ninguem que ser babá de ninguém!

    A POPULAÇÃO já ta bem orientada, e mesmo assim muitos recebem visitas diurnas em casa, sem máscara, sem prevenção nenhuma achando que são IMUNES ou que o vírus é conversa fiada. O contágio conforme constatado é social nos bairros! E não no comercio!

    O que adianta barreiras na cidade em Horario Comercial? Ou seja, a noite pode chegar a vontade gente de fora que o acesso ta livre…. O que adianta toque de recolher se nem a PM e nem a Guarda Civil tem efetivo suficiente para estar nas ruas.

    Eu acredito que a PMA tem que avaliar melhor as medidas de contenção, porque fechar comercio não resolve pois a infestação esta nos bairros e não nas lojas que usam as medidas de seguranca e higiene, toque de recolher sem fiscalização também não, e as

  3. Ele diz aqui que o comércio não é disseminador da doença, então é coincidência o aumento de número de casos após a reabertura do comércio? Além do mais o prefeito tem que ter autoridade e fazer cumprir decretos e não editar e deixar rolar, pois esse feriadão aqui foi uma palhaçada.

  4. Concordo com o fechamento do comércio por uma semana sim , no entanto, a fiscalização deve aumentar nos bairros, pois são nos bairros que as pessoas estão fazendo farra , perderam a noção do perigo do vírus. Alagoinhas não tem leitos de UTI disponíveis para tantas pessoas . Que Jesus nos proteja .

Deixe uma resposta