André FICA!

Numa conversa bem amistosa com o Vereador André de D’Jalma(PSD) de Esplanada foi anulado qualquer chance do Grupo Djalma deixar a Base do Governo Franco de Aldemir. André, muito honesto e satisfeito com o trabalho que seu pai vêm desenvolvendo como Vice fez questão de frisar que ainda não se sente preparado para concorrer ao executivo no município como corre na cidade. Disse que “me chamaram para ser prefeito”, mas segundo ele descartou qualquer possibilidade de sair da base e que no momento não se sente “preparado” para ser candidato. Esse “preparado” que frisa tem haver com as habilidades necessárias para concorrer a esse cargo, não somente no traquejo político, mas em conhecer com mais profundidade a realidade do município e desenvolver políticas públicas. Para conquistar o pleito em 2024, ele precisa desconstruir algo que muito se ouvi em rodas de conversas “a sombra de ser levado pelo pai”. Precisa desconstruir essa ladainha que grande parte da população repete incansavelmente e construir a imagem de homem maduro, independe e firme. Na conversa percebi que há tempo e disposição dele para isso.

TRÊS MOSQUETEIROS DE ARAÇAS

Em entrevista para Ailton Borges a Prefeita de Araças, Gracinha (PT) declarou publicamente que não irá apoiar seu atual vice como pré-candidato da sua chapa para o pleito 2021-2024. No ano em que a cidade completa 31 anos de Emancipação Política a Prefeita afirmou que o pré-candidato é “Bidu (atual Secretário de Transporte), por conta das pesquisas”. Porém, ainda segundo a prefeita “Admiramos ele, gostamos dele e Araças gosta de Del”, então porque não garantir a pré-candidatura dele? Segundo ela, a decisão parte da bem avaliação por parte da intenção de votos pela população em duas pesquisas realizadas por sua base na Câmara e que “não aceitariam uma terceira pesquisa por que daria novamente o nome do Secretário”. Há muitas controversas sobre essa fala da Prefeita, principalmente por que diversas fontes fizeram questão de salientar que Del tem uma notoriedade muito grande e que seu nome já vinha sendo desenhado como pré-candidato.Seria então o desmanche dos cavaleiros: um por todos, Gracinha por um.

NÃO OLHAI POR NÓS

Mas um ano se passou e a nossa Estátua permanece lá mantida para ostentar os egos de uma pseudo elite municipal. Ora, não havia qualquer problema em construir uma estátua em referência a seu “Deus”, mas, o Estado não é laico? Por que um Cristo e não um Orixá? A resposta já sei: a maioria é cristão! Ok! Porém, o Estado precisa se manter neutro nesse lugar, precisa garantir a representação de todo mundo, não só de uma parte: mesma sendo maioria. Economicamente o Cristo não traz nada, não movimenta nada, isso porque não houve uma estratégia bem amarrada ou um estudo PROFISSIONAL para avaliar como movimentar o Turismo da cidade. Foi feito, como diz minha avó “a deus dará”, sem chamar o povo para avaliar o causo. O Cristo é a maior montanha de dinheiro lançado no mar do descaso público, o “cuspi milionário” de descaso jogado na cara do povo.

ZONA BARATA

Um burburinho tomou conta da cidade de Esplanada, os “Grisis pretendem fazer base de dois governos distintos”. Esse burburinho tem causado um mal estar em todos os moradores que entraram em contato comigo. O maior questionamento é como “integrar duas ideias de governo distintas?”, de fato, o sobrenome tem perdido força por conta da falta de estratégia na política municipal. Em contato com o vereador Ronam Grisi me foi dito que : “o cenário está no início”, mas não foi ressaltado nada sobre em qual das partes além de ignorar minha pergunta sobre se a família pretende ser base dos dois lados, pedindo que esse esclarecimento fosse feita pessoalmente. O que posso garantir é que com o novo arranjo eleitoral, as novas pautas e a ampliação do olhar da população em relação a que cidade se pretende construir, há tendência natural: quem morde e assopra não dura muito tempo.

490 MIL REAIS PARA DESENVOLVER NA ASSISTÊNCIA SOCIAL EM ESPLANADA

Quando insisto que a BOA GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL precisa ter um olhar técnico, progressista e humano, é justamente por que a partir do gerenciamento de recursos é possível construir uma realidade nova para a população. Conferindo os repasses realizados pelo Ministério da Cidadania ao Fundo Municipal da Assistência Social em Esplanada (vide: http://aplicacoes.mds.gov.br) percebo que a falta de aplicação do recurso dificulta o avanço e a melhoria da situação de vulnerabilidade social da vida da população. Há, hoje, no Fundo Municipal de Assistência da Prefeitura o valor de R$ 490mil361reais e 45 centavos que poderiam contribuir diretamente para garantir a população da cidade uma nova realidade social e econômica. Mas, onde está o compromisso e o resultado na vida das famílias referenciadas do Sistema Única da Assistência Social da cidade? O exemplo claro, se refere ao repasse relacionado às Ações ‘COMPLEXAS’ de Estratégia ao Combate do Trabalho Infantil que permanece intacto desde 2018, basta perceber que a utilização do recurso não reflete diretamente na vida das pessoas. Muito se houve sobre a falta de “cursos profissionalizantes”, a falta de incentivo ao empreendedorismo das famílias em situação de vulnerabilidade social, da falta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV) nas comunidades mais distantes da sede, a exemplo da Praia e dos distritos, que a partir da sua implantação poderia assistir a população e a partir de Oficinas de Escuta construir um PLANO MUNICIPAL DA ASSISTÊNCIA SOCIAL que COMBATA A POBREZA, planejado a muitas mãos e ouvindo os maiores interessados. Na prática Esplanada não é referência para a Bahia, não inova, não progredi, repete o erro de não possuir um olhar humano e comprometido e o dinheiro fica lá, aplicado sem os objetivos “supracitados acima”. A grande pergunta é: onde está o Conselho Municipal de Assistência Social que tem como papel principal promover o debate sobre a utilização, a aprovação, o gerenciamento e a fiscalização desse recurso. Até quando a população vai se isentar de compreender sobre as POLÍTICAS PÚBLICAS que realmente podem mudar sua realidade e deixar que o descompromisso continue? Em latim o ditado Vox populi vox Dei est (a voz do povo é a voz de deus) deixa uma pergunta: se deus é povo, onde está deus para cobrar uma cidade melhor, se dinheiro não falta aos cofres públicos.

MIUDINHA RESISTE!

No dia da visibilidade trans e da luta de todas as mulheres que resistem ao preconceito que mata, Esplanada precisa falar de Miudinha que resiste ao tempo e a todas as mazelas do machismo estrutural do nosso país. Mércya Santos é um exemplo: mulher trans e filha de Esplanada, ela é a prova viva de que através da educação é possível avançar. Apesar de não ser convidada para falar sobre Transexualidade e estampar campanhas municipais de conscientização a população sobre transexualidade e respeito à diversidade. Miudinha tem a admiração e o respeito de toda cidade e sua vida é exemplo para outras mulheres trans e pessoas LGBTs.

Deixe uma resposta