A Prefeitura de Alagoinhas, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SESAU), esclarece sobre as informações da matéria veiculada pelo jornal A Tarde, na edição de domingo, 15 de setembro. Com o seguinte título “População sofre com a falta de UPA’s em Alagoinhas”, a notícia já assume uma premissa equivocada de que a gestão atual é omissa em relação a estes equipamentos no município.

A Prefeitura de Alagoinhas esclarece que não houve negligência alguma em relação à Unidade de Pronto Atendimento da localidade do Barreiro.  Com valor do contrato total na ordem de cerca de R$1,4 mi, as obras da UPA do Barreiro foram  abandonadas pela gestão anterior, e em 2017, quando esta gestão assumiu, o município adotou medidas para realizar o distrato e penalizar a empresa, que foi multada. Após parecer e aprovação de prazo do Ministério da Saúde, a Secretaria de Saúde realizou novo processo licitatório.

Também abandonada pela gestão anterior e assumida como uma das prioridades da gestão atual, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Santa Terezinha está prestes a ser entregue à população. O equipamento vai funcionar 24h, 7 dias por semana. A unidade deve contar com, no mínimo, sete leitos de observação e tem capacidade para atender pelo menos 4.500 pessoas por mês.

Com relação à secretária de Saúde Rosânia Rabelo, para os leitores que possuem conhecimento sobre o que se trata o termo “improbidade”, ficou claro o patente equívoco presente na matéria, mas para aqueles que não possuem tal conhecimento, o texto os induz, propositalmente, ao inevitável erro, os levando a crer que a secretária de Saúde Rosânia Rabelo possui algum tipo de impedimento para assumir o cargo. Para a sua nomeação, a secretária apresentou a Certidão Negativa no Cadastro Nacional, emitida pelo Conselho Nacional de justiça (vide abaixo), documento este que também foi disponibilizado à redação do jornal.

Atenção Básica

O município avançou na Atenção Básica. No ano de 2017, a rede possuía 23 Unidades Básicas de Saúde (UBS), que abrigavam 26 Equipes de Saúde da Família (USF), sendo 19 na zona urbana e 7 na zona rural. Atualmente, o município dispõe de 26 UBS que abrigam 34 Equipes de Saúde da Família, sendo 25 na zona urbana e nove na zona rural. Estão previstas a construção de mais duas UBS, a ampliação de três e a reforma de duas, além da ampliação de mais cinco Equipes de Saúde da Família até 2020.

Na gestão atual,  município já contou com entrega de ambulâncias aos distritos de Riacho da Guia e Boa União, reforma e ampliação de unidades de saúde da zona rural, a exemplo das unidades de saúde do Estêvão e de Narandiba, requalificação total do CAPS III, nova sede do SAMU, reforma da Vigilância Epidemiológica, reforma do Conselho Municipal de Saúde, entre outras ações, como parte do planejamento da secretaria.

Alagoinhas também já foi contemplado com a construção de uma sede do Laboratório Central (LACEN) regional, que atenderá à região. As ações de manutenção e reparos na unidade onde funciona hoje o Laboratório Municipal atenderão a um cronograma pré-estabelecido, contemplando reparos na estrutura física e no mobiliário.  Também já foram atendidas as solicitações da coordenação do setor sobre a contratação de aparelhos utilizados no equipamento.

A SESAU informa, ainda, que o prédio que abriga hoje alguns setores da Vigilância em Saúde funciona em duas repartições. De modo prioritário, o prédio I foi completamente requalificado, na 1ª etapa, e entregue à população no final do ano passado. O prédio anexo, onde funciona a Vigilância Epidemiológica, também passará por reforma total e será um dos próximos equipamentos que o governo municipal deve entregar à população na área da saúde. O município também tem adotado medidas administrativas de manutenção e reparos no local.

No que tange ao Centro Odontológico Especializado (CEO), a Secretaria de Saúde informa que já está garantida a reforma das duas unidades que o município dispõe – um no centro de Alagoinhas e outro anexo à Policlínica Municipal. O processo licitatório para a contratação de empresa que realizará a obra já está em fase de elaboração.

Hospital Maternidade e Atendimento em Alta Complexidade 

Iniciativas inovadoras promovem o atendimento humanizado no Hospital Maternidade: Polvos do Amor, que promovem estabilização de sinais vitais, promoção de acolhimento e humanização, Bolas de Bobath para redução das dores provocadas pela contração uterina, prognóstico de parto mais eficaz, redução de stress e promoção de conforto, funcionamento em tempo integral do cartório, redes terapêuticas e Musicoterapia Neonatal.

Além disso,  foram implantadas a climatização do centro obstétrico com a instalação de duas novas máquinas e manutenção de uma antiga,  ampliação da oferta de exames de ultrassonografia, classificação de risco, regulação e gestão de leitos, visita vinculada, dimensionamento do corpo de enfermagem com novas contratações, consolidação do serviço de Psicologia, de Fisioterapia e manutenção corretiva de equipamentos.Recentemente, a unidade recebeu o  Premio Irmã Dulce 2019, pelas práticas humanizadas, assim como foi destaque no congresso em Brasília.

Em breve, a cidade também contará com o Hospital de Alta Complexidade em Oncologia (UNACON), que terá 60 leitos, beneficiando mais de 830 mil pessoas da microrregião com tratamento integral do câncer.

Publicidade 3