O deputado estadual Alan Sanches (DEM), vice-líder da oposição na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), declarou que o governador Rui Costa (PT) precisa se conscientizar e não entrar com mais pedidos para contrair empréstimos, “sob pena de cometer pedalada fiscal”. 

O parlamentar se referiu a nota C que a Bahia recebeu por sua Capacidade de Pagamento (Capag) no Relatório do Tesouro Nacional. O estado figura a lista de 17 unidades federativas (com notas C e D) sem garantias da União para contrair empréstimos de bancos e outras entidades. “Está comprovado o elevado risco de o governo não honrar suas dívidas. E quem diz isso não sou eu, Alan Sanches, mas um Relatório do Tesouro Nacional”, alfinetou o deputado. Os dados referem-se ao ano de 2018.

O democrata sugeriu ainda que o projeto de lei que está na pauta de votação da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) em que o governo solicita ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) um empréstimo de 40 milhões de dólares – R$ 150 milhões – para o financiamento do Programa de Modernização e Fortalecimento da Gestão Fiscal (Profisco II) (veja aqui), seja abortado. 

“Até porque questões partidárias, o fato de possuir maioria na Casa, não podem falar mais alto do que manda a responsabilidade fiscal, bem como dos deputados para com os seus mandatos”, chamou atenção. O aval do governo federal viabiliza operações a juros mais baixos.

Publicidade 3