“Mil vezes satisfeita”, assim saiu Lucília Nascimento, 66, da quarta edição da Feira de Saneamento realizada pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) Alagoinhas na Praça Kennedy, no sábado (11). “Quando tem um evento desse é maravilhoso, porque o povo tem muito mais acesso”, afirmou a moradora, que aproveitou o evento para se consultar com um médico clínico e conseguir a renovação de uma receita e uma requisição.

A diretora geral da autarquia, Maria das Graças Reis, falou sobre o comprometimento da gestão com o usuário. “A cada Feira de Saneamento eu me alegro por perceber que o nosso propósito de levar mais saúde, qualidade de vida e informações sobre educação sanitária e ambiental vem sendo cumprido”, disse. O projeto integra as ações sociais do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 1), cujo investimento em obras de saneamento passam dos R$ 13 milhões em recursos federais e mais de R$ 3 milhões em contrapartida municipal.

Ao longo de toda a tarde, o SAAE e seus parceiros das pastas municipais e instituições privadas disponibilizaram inúmeros serviços à população: retirada de segunda via, parcelamento, atendimento médico e odontológico, orientações jurídicas, palestras, cursos, Cadastro Único (CAD), Centro de Referência de Atendimento à Mulher (CRAM), massagem corporal.

Walzelia Araújo, do Núcleo de Práticas Júridas da faculdade Unirb, frisou a importância do evento, uma maneira de suprir a carência de informação por parte da população, possibilitando, por exemplo, que passe a saber da existência do Núcleo. “O Núcleo de Práticas Jurídicas atende pessoas carentes que não podem pagar advogado, e os alunos são estagiários do nono e décimo período do curso de Direito”, explicou. A partir do Centro Judiciário de Solução de Conflitos (CEJUSC), são fornecidos atendimentos referentes a divórcios, reconhecimento de soluções de união estável, pensão de alimentos, reconhecimento de paternidade voluntário, e casos da área civil que abarca até R$40 mil.

“Para mim, tem sido gratificante, pois estou passando o que eu sei, na certeza de quem aprende a fazer vai poder ter uma renda”, disse a professora de velas artesanais Gleide Souza. Na ocasião, a produção das participantes de cursos realizados neste primeiro semestre foi exposta e colocada à venda.

Rita de Cássia, 50, que ficara sabendo da Feira através da divulgação de carro de som e até então não havia participado de nenhuma edição, não perdeu a oportunidade e foi até a praça do bairro conferir tudo de perto. “Estou achando ótimo, porque a maioria da população não tem acesso assim tão fácil, como odontologia”, contou. Somado à excelência da Feira, a moradora ainda falou sobre o serviço da autarquia como um todo. “Melhorou bastante, porque na rua onde eu moro faltava água direto, sempre tinha que estar ligando pra lá, reclamando, mas agora Graças a Deus nunca mais deu problema nenhum”, disse.

A assessora de Integração Comunitária, Leila Pires, agradeceu a presença de todos e a colaboração  da SEDEA, da SEDUC, da SEMAS, da SESAU, da SMTT, da FATEC, da UNIRB e da Ciranda das Manas, sem os quais o evento não teria alcançado o objetivo de maneira tão exitosa quanto alcançou.

Publicidade 3