Reprodução
Publicidade 3

Na tentativa de atender demandas dos caminhoneiros, o governo vai liberar R$ 2 bilhões do Orçamento do Ministério da Infraestrutura para conclusão de obras importantes e manutenção de rodovias essenciais. 

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, afirmou que o governo vai concluir a pavimentação da BR-163 até Mirituba (PA) e finalizar a rodovia na parte que depende do governo federal. 

Ele citou ainda a recuperação de BR-135, duplicação da BR-101, na Bahia, e BR-116 (Rio Grande do Sul). “O governo não vai deixar faltar recursos”, garantiu.

A BR-101 – que vai do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul – corta a Bahia, próximo à zona costeira, e é responsável por ligar diretamente o estado a vizinhos do Nordeste e do Sudeste do país.

Em outubro do ano passado, dois novos trechos de 8,4 km duplicados na BR-101 na Bahia foram entregues. Um trecho de 3,6 km no lote 1 em Esplanada e outros 4,8 km no lote 2, no município de Entre Rios. 

Em junho passado, também foram liberados os primeiros 20 km duplicados no lote 1 de um total de 41,6 km de extensão. 

As obras da BR-101 na Bahia começam em Feira de Santana e vão até a divisa com Sergipe. 

Projeto
Segundo o ministro, o principal esforço do governo será construir uma referência de piso para o preço do frete que seja aceito por todos. “Modelar preço do frete não é uma tarefa simples. O trabalho está pronto e vamos debater”, afirmou.

Freitas afirmou que o governo desenvolveu um programa para melhorar as condições dos caminhoneiros e aumentar a renda. Uma das ideias é eliminar intermediários (como despachantes) para tentar melhorar a remuneração. “A discussão do frete é uma coisa que todos têm razão, embarcador e caminhoneiro. O embarcador paga caro e o caminhoneiro ganha pouco, onde está o dinheiro?”, afirmou.

De acordo com o ministro, serão incluídas nas novas modelagens de concessão a construção de pontos de paradas obrigatórias, o que também será incluído nas concessões existentes. Ele citou ainda medidas para desburocratização, como a entrada em vigor neste mês do documento eletrônico de transporte.

Além disso, o programa para caminhoneiros terá um “pilar na comunicação” com o restabelecimento do Fórum Nacional de Transporte de Cargas. “Teremos fórum permanente de diálogo, a porta está aberta. Teremos metas em fórum com caminhoneiros”, afirmou. 

Ele disse ainda que há um excesso de demanda e o esforço é garantir que os caminhoneiros autônomos sejam contratados.

FONTECorreio 24h
COMPARTILHAR

Deixe uma resposta