Publicidade 3

O presidente do Atlético de Alagoinhas, Raimundo Queiroz, explicou o motivo do atraso do ônibus que levou o time sub-20 para Simões Filho, onde enfrentaria a ABB na tarde da última quarta-feira (2), pela quarta rodada do Campeonato Baiano da categoria.

O jogo estava marcado para começar às 15h, mas a equipe do Carcará só chegou depois das 16h. Com isso, o juiz da partida decretou a vitória dos donos da casa por WO.

“O que aconteceu foi que o ônibus que ia viajar com os garotos, quando estava se dirigindo para pegá-los, teve um problema no freio. Aí a gente teve que procurar outro ônibus, porque não iríamos botar os garotos num ônibus com risco de acontecer algum acidente, que é pior do que um WO. Conseguimos outro ônibus para levá-los só que atrasou. A estrada estava com bastante movimento e estava chovendo muito também. Pedimos ao motorista que tivesse cautela na viagem”, explicou em entrevista ao Bahia Notícias.

De acordo com Raimundo, o clube de Alagoinhas comunicou à Federação Bahiana de Futebol (FBF) que a equipe chegaria atrasada em Simões Filho. Ele também reconheceu que foi uma falha da agremiação.

“Comunicamos à Federação, com antecedência, que ia atrasar um pouco. Quando nossos atletas chegaram, já eram 16h e como estádio lá não tem refletor, o juiz disse que não tinha condições de ter o jogo. Nós entendemos, houve uma falha do clube referente a isso, mas foi uma situação que a gente não esperava que acontecesse”, completou.

Apesar da derrota por WO, Raimundo Queiroz não acredita que o time seja desclassificado da competição. Ele crê que a próxima partida da equipe, marcada para sábado (6), às 15h, contra o Jacuipense, no Carneirão, pela quinta rodada da competição, será realizada normalmente. A equipe ocupa a terceira posição do Grupo 3 com três pontos, mesma pontuação da ABB, que é a quarta. Faltando duas rodadas para o final da primeira fase, o Vitória lidera a chave com 12, seguido por Jacuipense que tem seis.

“Como a gente comunicou o que aconteceu, acho que não vai ter nenhum tipo de problema não. Inclusive, o time vai jogar aqui no sábado e está tudo preparado aqui em Alagoinhas. Vamos fazer o possível para que o time não tenha nenhum tipo de punição”, disse.

Sobre o protesto dos jogadores (veja mais aqui), o presidente do Carcará disse compreender a chateação deles. De acordo com Raimundo, o time sub-20 é de responsabilidade do departamento de futebol amador do clube.

“A gente entende a chateação dos atletas, porque ali estão jogadores promissores, que tem um futuro. E eles se sentiram frustrados por não ter o jogo. Como eles estavam chateados, fizeram essas colocações”, ponderou. “A parte do futebol amador, do treinador, do auxiliar, o gerente vão chamá-los para saber que o está acontecendo, porque a princípio tudo está sendo feito normalmente”, ressaltou.

Raimundo Queiroz falou sobre as condições das divisões de base do Atlético de Alagoinhas. Ele contou que devido à situação financeira, o clube não tem um alojamento para os jovens jogadores. Segundo o mandatário, os garotos fazem todas as refeições nas suas casas e que o Carcará banca apenas os medicamentos, os lanches e o transporte durante as viagens para os jogos da equipe fora da cidade.

“Devido a nossa dificuldade financeira para botar um alojamento digno, a gente preferiu que os atletas fossem de Alagoinhas, ou seja, não temos alojamento. Todos os atletas são daqui e eles fazem as refeições na casa das suas famílias. O clube leva no ônibus com lanches, medicamentos, tudo, e depois dos jogos damos os lanches”, finalizou.

FONTEBahia Notícias
COMPARTILHAR

Deixe uma resposta