Publicidade 3

O prefeito Joaquim Neto e o diretor-representante do Banco de Fomento Andino, Jaime Holguín, assinaram, nesta terça-feira (22), um acordo de cooperação técnica, no valor de US$ 200 mil, para a realização de estudos de viabilidade da recuperação da Lagoa Fonte dos Padres, localizada na parte baixa do bairro Alagoinhas Velha. Com esses recursos, oferecidos pelo banco a Fundo Perdido (não reembolsável), a prefeitura poderá contratar especialistas para avaliar as melhores formas de promover a recuperação ambiental da lagoa e seu entorno, em uma ação complementar às previstas no financiamento já existente entre o banco e o municipio, assinado em 2017, num total de US$ 11,5 milhões. A intenção é buscar mitigar os passivos ambientais existentes na área e possibilitar a criação de espaços de descanso, lazer e recreação a toda a comunidade.

De acordó com Holguín, os recursos a fundo perdido foram destinados à despoluição e urbanização na região da Lagoa Fonte dos Padres como uma forma de incentivo ao munícipio frente à qualidade dos projetos apresentados pela prefeitura. “Alagoinhas é uma cidade reconhecida nacionalmente pelos seus recursos hídricos privilegiados e estamos honrados em participar do processo de planejar a sustentabilidade dessa condição, garantindo a melhoria da qualidade de vida da população e possibilitando a proteção de mananciais”, declarou Jaime Holguín.

O prefeito Joaquim Neto afirmou que essa cooperação técnica representa uma evolução no cuidado com o meio ambiente em Alagoinhas. “Por meio do projeto que já temos com o banco, já conseguimos fazer grandes obras de infraestrutura e estamos agora num grande momento de melhorias de saneamento, que vão culminar na Lagoa dos Padres, uma área que vamos estudar e preparar para que seja um ambiente despoluído, urbanizado e adequado para o uso da população”, disse.

A Fonte dos Padres é uma área emblemática da cidade e a cooperação técnica assinada hoje impactará em diferentes aspectos. Em termos ambientais, será levantado um plano de readequação hídrica que evite inundações, conexões irregulares de esgoto e a definição do espaço como específico de preservação. No campo urbanístico, estão previstos uma ciclovia e a criação de um parque público, que eliminará a pressão urbana e ocupações irregulares, além de beneficiar a população com mais um espaço de lazer  e convivência.

A recuperação da lagoa também tem um impacto simbólico sobre a população da cidade, que é reconhecida pela disponibilidade e pela qualidade de sua água, característica essa que marca boa parte da atividades económicas locais e está ligada à fundação da cidade.

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta