Em Portugal, Bruno Reis conhece projetos nas áreas social, de inovação e economia criativa

Publicidade 2


O vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis, foi a Portugal conhecer iniciativas bem-sucedidas nas áreas social, de inovação tecnológica e economia criativa, na sexta-feira (9).

Na Prefeitura de Lisboa, ele trocou experiências com a vereadora de Cultura e Relações Internacionais, Catarina Vaz Pinto, com a qual conversou sobre os projetos que levaram à diminuição de quase 50% da população em situação de rua na cidade lusitana, entre 2015 e 2017. “Os resultados alcançados são bastante positivos. E muitas dessas experiências poderão ser replicadas em Salvador”, afirmou Bruno.

Em reunião com a equipe técnica da área social da administração lisboeta, o vice-prefeito de Salvador conheceu o funcionamento do “Housing First”, o revolucionário programa que já ajudou a tirar milhares de pessoas das ruas, na Europa e na América do Norte. Idealizado pelo psicólogo Sam Tsemberis, o projeto defende a oferta de moradia como primeiro passo no processo de resgate da autonomia da população desabrigada, invertendo a ordem das etapas do serviço de assistência.

Ao se encontrar com o prefeito de Cascais, Carlos Carreiras, Bruno Reis conheceu as políticas de atração de investimentos nos setores de economia criativa, inovação e tecnologia, que vêm dando destaque internacional à cidade. “Diversos empreendimentos são projetados para os próximos anos em Cascais, melhorando o ambiente de negócios e estimulando o turismo na região, ampliando a geração de emprego e renda para os moradores”.

Na sede da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA), Bruno Reis tratou sobre a possibilidade de a Prefeitura receber o apoio de organizações internacionais, como a União Europeia (EU), para financiar projetos sociais em Salvador. O secretário-geral da entidade, Vitor Ramalho, demonstrou boa receptividade à ideia. “Planejamos também a realização de um evento na capital baiana, no primeiro semestre de 2019, para trocar experiências na área social com outras cidades, cujo idioma oficial é o português”, informou Bruno.

Deixe uma resposta