Vigilância Sanitária promove palestra para produtores de farinha do Ponto do Beiju

Publicidade 2

Com foco em orientar produtores de farinha e em fornecer a eles especificações técnicas sobre higiene, manipulação e estrutura da atividade produtiva, a Vigilância Sanitária promoveu, nesta quarta-feira (17), uma palestra no Ponto do Beiju a trabalhadoras da farinhada e moradores da região.

A iniciativa partiu da própria comunidade. Solicitada pela associação local, a equipe da Vigilância se reuniu, às 9h, para uma ação sem objetivo fiscalizatório. A intenção, segundo a coordenadora do setor, era justamente falar sobre as estruturas, normas e adequações necessárias para garantir o respaldo de um alvará sanitário.

A sanitarista Andrea Marta Burkan falou aos participantes sobre a área de fabricação, os detalhes de piso, paredes, janelas, forros e aberturas das casas de farinha, e ressaltou a importância de práticas cuidadosas de fabricação nas unidades de processamento da farinha de mandioca.

“Os produtores percebem que eles têm hoje abertura para adequar a produção. É modificar as estruturas para que eles venham a ter uma produção melhor. O respaldo do alvará sanitário também é importante para abrir portas a eles, à comercialização do produto deles, à fabricação para outros estados. Essa palestra vem para esclarecer dúvidas, compartilhar conhecimento e apontar o cuidado no manuseio, na fabricação, na estrutura física”, pontuou Jaqueline Santana, coordenadora da Vigilância Sanitária.

Para Íris Maria Pereira Matos, que há 32 anos trabalha com beiju e participou da palestra, esse tipo de ação é positiva. “Toda a minha clientela elogia e gosta muito da minha mercadoria, porque eu procuro oferecer a eles o que eu gostaria de ter na minha mesa. Eu acho fundamental orientação sobre manipulação e higienização nas casas de farinha, porque é o nosso ganha pão. É um lugar que precisa de cuidado, de higiene. Tudo o que eu e minha família temos foi construído na vida de beiju. Conseguimos formar 3 filhos plantando e colhendo manaíba”, revelou.

Membros da equipe e da comunidade falaram sobre a importância econômica, cultural e também sobre a memória das casas de farinha tradicionais, mas destacaram a necessidade de modernização, adequação e atenção às determinações sanitárias.

A Vigilância informou que os profissionais lidam com demandas espontâneas e também solicitações. A equipe, responsável por ações que visem eliminar, diminuir ou precaver riscos à saúde, tem fiscalizado, conforme as normas técnicas estabelecidas, os empreendimentos, mas também tem orientado a população sobre as adequações em produtos, serviços e processos de trabalho.

Deixe uma resposta