Até início da tarde, cinco pessoas foram detidas pela Operação Eleições

Publicidade 2

Cinco pessoas foram presas até as 13h deste sábado (6), véspera do primeiro turno das eleições, conforme balanço divulgado pelo Ministério da Segurança Pública. 

De acordo com a pasta, uma pessoa foi presa por tentativa de homicídio em Salvador, após tentar atropelar um indivíduo que vendia camisetas de um candidato. Apenas o varal com as camisetas foi danificado, com prejuízo estimado em R$ 540 pela vítima. 

Também houve um preso em Santo Antônio Do Leverger (MT). Após uma denúncia, foram encontradas três folhas pequenas com nomes, CPFs e dados de títulos de eleitores, além de material de campanha. Também foram apreendidos R$ 6.501 em dinheiro. O caso está sendo apurado pela Polícia Federal em Cuiabá. 

Uma pessoa foi presa em Teresina (PI) por suspeita de crime eleitoral. O indivíduo se dirigia à cidade piauiense de Piripiri com R$ 100.000 em espécie, sem uma comprovação de origem do dinheiro. O caso foi encaminhado à Superintendência da Polícia Federal no Estado. 

Outras duas pessoas foram detidas em Joaquim Nabuco (PE) com materiais de campanha (santinhos, adesivos e panfletos) e R$ 4 580 em dinheiro que, segundo eles, seria o pagamento para militantes. Após o material ser apreendido, ambos foram liberados, sem a necessidade de pagamento de fiança. 

Além das prisões, foram apreendidos materiais de campanha irregulares em Currais Novos (RN) e em Rondônia, além de um carro de som na Bahia. 

As ocorrências foram registradas pela Operação Eleições 2018, que é coordenada pelo Centro Integrado de Comando e Controle Nacional (CICCN) da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp). 

Sediado em Brasília, na Polícia Rodoviária Federal (PRF), o CICCN possui representantes de todos os Estados para centralizar e coordenar as informações e ações relacionadas à segurança pública durante as eleições. Essas informações vão nortear a atuação das polícias militares e civis dos Estados e, também, das guardas municipais.

Eduardo Rodrigues, do Estadão Conteúdo

Deixe uma resposta