Prefeitura promove workshop para a implantação da sala do empreendedor no município

Publicidade 2
Imagem: Divulgação

Como parte das ações desenvolvidas para fomentar o empreendedorismo, desde a assinatura do termo de adesão ao Cidade Empreendedora, a Prefeitura promoveu, em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), o 2º workshop do programa, com foco na implantação da sala do empreendedor.

A sala faz parte de um dos eixos de atuação do programa que, em termos gerais, tem como objetivo criar, no município, um ambiente favorável ao desenvolvimento de negócios.

O intuito é que, com a desburocratização do processo e a concentração das solicitações em um espaço capacitado para atendê-las e gerar o encaminhamento necessário, o interessado em abrir o próprio negócio possa ter um tempo recorde de resolutividade, garantindo a abertura do empreendimento em um prazo que, para pequenos negócios, pode chegar a 48h.

Isso significa dizer que, se você está pensando em investir em um pequeno empreendimento inicial, ao chegar à sala do empreendedor com os documentos necessários, poderá – em alguns casos – sair de lá com o processo finalizado, sem delongas para ver o negócio sair do papel. “A gente está dando o segundo passo e vamos dizer que talvez seja o coração do programa, que é a sala do empreendedor. Beto Maciel, que ministrou a atividade, é do Espírito Santo e já abriu mais de 70 salas em todo o país. Ele tem toda a prova cabal de que é possível e nós, do SEBRAE, sabemos disso. A gente trouxe o programa Cidade Empreendedora porque a gente realmente acredita e, quando a gente fala em abrir empresa no mesmo dia, são empresas de baixo risco. As empresas de alto risco têm um trâmite diferenciado que tem uma delonga maior. Mas, as empresas de baixo risco, mais simples, têm a condição plena de abrir no mesmo dia, inclusive. Já tem municípios que fazem isso”, explicou o analista João Paulo Lima, do SEBRAE Salvador.

Para o secretário de desenvolvimento e meio ambiente, José Edésio Cardoso, dado o cenário econômico atual e a escassez de empregos de carteira assinada, é importante que o município incentive outras formas de desenvolvimento em que as pessoas não dependam exclusivamente da carteira de trabalho. “Vamos contribuir com ferramentas eficientes e profissionais capacitados para criar um ambiente favorável ao desenvolvimento da cidade”, garantiu.

A Secretaria de Desenvolvimento informou ainda que, além da desburocratização, a sala do empreendedor deve facilitar a intermediação de mão de obra. “O empresário que chegar aqui vai ter todo o apoio para a abertura da empresa dele. Estaremos oferecendo também créditos para fomentar os negócios, cursos em parceria com o SEBRAE e a mão de obra. A gente tem um cadastro aqui de 12 mil pessoas e eles vão poder usar esse banco de dados que a secretaria tem, através do SIMM”, pontuou Jaldice Nunes, da SEDEA.

A previsão, de acordo com a secretaria, é de que a sala do empreendedor seja implantada oficialmente em um prazo máximo de 60 dias. Além da desburocratização, o Cidade Empreendedora deve atuar também com outros 4 pontos fundamentais: educação empreendedora, gestão municipal, compras públicas e energia.

Deixe uma resposta