Mesmo com Lei Municipal a favor, bandas e grupos de Esplanada ficam de fora dos festejos juninos

Publicidade 2

Para quem não sabe, existe uma Lei Municipal de número 660/2009, onde dispõe sobre a manifestação de artistas da terra, em abertura ou encerramento de eventos realizados e patrocinados pelo município de Esplanada.

Conseguimos uma cópia dessa Lei Municipal, que está no livro de Leis da Câmara de Esplanada, e em seu Art 2º, diz que: Para que o artista local possa participar de eventos, torna-se obrigatório o cadastramento atualizado junto a Secretaria de Cultura de Esplanada.

Art 3º diz que, fica o executivo municipal, através da Secretaria de Cultura, responsável pelo cadastramento do artista local que deseja se enquadrar no projeto.

No Art 4º diz que, para o órgão competente da prefeitura municipal de Esplanada, conceder autorização do evento é necessário que o promotor do evento, indique por escrito o tempo de apresentação do artista, local e se esta apresentação será na abertura ou encerramento.

A falta de valorização dos artistas e das manifestações culturas da cidade, já vem sendo discutidas há tempos. Esplanada hoje conta com um número expressivo de músicos, bandas e grupos, além de quadrilhas juninas e sanfoneiros tradicionais. Na programação que a prefeitura está divulgando dos festejos juninos de 2018, consta um termo “mais artistas locais”, porém em consulta feita aos músicos da cidade, os mesmos negam essa informação. Alegando que não foram chamados para o cadastramento na SECULT e nem para fazer parte da grade artística dos festejos.

“Todo ano é a mesma coisa. Valorizam e muito os artistas de fora e os daqui ficam se humilhando para poder se apresentar nas maiores festas da cidade. Não existe valorização da arte e da música. É quadrilha pedindo dinheiro em pedágio, músico implorando para tocar! Essa é a realidade do artista Esplanadense” Desabafou um músico da cidade.

Segundo informações levantadas, ainda tem sanfoneiro que não recebeu o pagamento da apresentação do São João de 2017.

“Ainda tem isso. Nos humilhamos para buscar um espaço que seria nossa por direito, estipulam um cachê baixo e temos problema para receber, pois só pagam com 3 ou 4 meses depois da apresentação”. Disse outro músico.

Artistas como Jânio Alves, Galera da Ostentação, Bia Bandeira entre outros grupos de forró, estão fora da programação segundo informações levantadas. Em contra partida, pode se ver na programação dezenas de artistas de pequeno e médio porte de outras localidades, confirmadas. 

Todos os artigos da lei municipal não foram respeitados e existe uma grande insatisfação dos artistas locais. 

 

Fonte: Esplanadagora

Deixe uma resposta