SEMAS realiza entrega das últimas unidades habitacionais do Conjunto Linha Verde

Publicidade 2
Foto: Heloísa Gomes / SECOM

Rubinho e sua família tinham o sonho da casa própria, comemoraram felizes a contemplação para o programa habitacional Minha Casa, Minha Vida, mas tiveram que adiar por dois meses o recebimento das chaves, isto por conta de uma autorização judicial, necessária para casos de pessoas curateladas – encargo conferido para que uma pessoa cuide dos interesses de alguém que não possa licitamente administrá-lo. “A SEMAS nos ajudou muito no processo me dando orientação e com os prazos também, se não fosse a equipe meu filho não estaria aqui hoje recebendo a chave da casa dele. Mesmo eu sendo responsável por tudo a Caixa exigiu autorização judicial porque ele é curatelado. Só tenho que agradecer a todos da secretaria”, conta Girlânia Carvalho, mãe do contemplado.

O empreendimento Linha Verde tem 500 histórias para serem contatas e nesta segunda-feira (28), 11 delas começaram a ser escritas. “É muita felicidade para nós receber a chave da nossa casa tão esperada. Só tenho que agradecer a Deus e a SEMAS que organizou tudo, trabalhou para evitar fraudes e graças ao trabalho deles vamos receber nossa casa, fruto de um processo justo”, comenta José Nilton dos Santos, contemplado.

Alfredo Menezes, secretário de assistência social revelou as dificuldades no processo para pessoas curateladas e o empenho da secretaria para atendê-los. “O processo com pessoas curateladas é mais difícil e demorado, mas a gente não poderia deixar de brigar por eles e fomos administrando os prazos junto à Caixa para assegurar o direito dos contemplados que precisavam de autorização judicial. Fizemos isso porque entendemos a SEMAS como uma secretaria de assistência social, com essa natureza a gente não pode fechar as portas para o povo, porque se não abraçarmos eles, quem irá?”.

Finalizando a entrega das unidades habitacionais do Conjunto Linha Verde, o prefeito Joaquim Neto participou da entrega das chaves para os 11 contemplados remanescentes. “É muito bom concluir mais um processo de entrega de casas porque as pessoas realmente precisam de moradia digna, por isso já estamos partindo para cima com intuito de conseguir mais 500 unidades para Alagoinhas. O deputado federal Paulo Azi está empenhando junto ao Ministério das Cidades e creio que em breve traremos boas notícias para a população da cidade”, revela Joaquim Neto.

De acordo com o secretário Alfredo Menezes 130 casas do Conjunto Linha Verde ainda estão desabitadas. “Fizemos uma vistoria e identificamos que 90 dias após a entrega das chaves algumas casas ainda estão desabitadas, deste modo entendemos que estas pessoas não precisam do imóvel. Estamos acionando a Caixa para desvinculação do contrato, visto que o documento diz que o prazo máximo para habitação após entrega do imóvel é de 30 dias, portanto não há justificativa para manter as casas vazias”, afirma.

Fonte: Secom Alagoinhas

3 COMENTÁRIOS

  1. Quanto a possível desvinculação destes contemplados no linha verde, qual será o critério utilizado para aquisição destas moradias?

  2. Gostaria de saber q conforme comentários pessoas de outros municípios estaria usufruindo de benefícios da saúde municipal como marcação e exames .se tais benefícios se estenderam p o minha casa minha vida

Deixe uma resposta