Caminhoneiros dizem que líderes ‘se venderam’ e pedem intervenção militar

Publicidade 2
Foto: Sérgio Castro/Estadão

As conversas no WhatsApp dos caminhoneiros ganharam tons mais agressivos nas últimas horas. Além de argumentarem que o governo não atendeu completamente as reivindicações, agora eles consideram os líderes que aceitaram o acordo como traidores. “Se renderam e se venderam”, afirma um deles. Em áudios que circulam nos grupos, também há ameaças para quem furar a paralisação.

Um deles incita os demais a apedrejarem os veículos de uma determinada empresa, que teria retomado os trabalhos. “Nada que uma pedra não resolva”, ameaçava um participante. Organizados por WhatsApp, os caminhoneiros parecem irredutíveis. Nos grupos de alguns manifestantes, as medidas anunciadas no domingo, 27, pelo presidente Michel Temer não surtiram efeito.

Os participantes demonstram impaciência e irritação com Temer e defendem intervenção militar já. Para alguns deles, a queda do atual governo e entrada dos militares é uma questão de tempo – ou melhor, de dias. O Estado participa de três grupos, cada um deles com pelo menos 200 participantes. Na troca de mensagens, eles se organizam rapidamente. As informações se alastram em minutos, como ocorreu após o pronunciamento do presidente.

Em áudios, líderes de cada Estado mostravam a situação do momento e as decisões de manter a paralisação. Mas, na manhã desta segunda-feira, 28, começam a surgir áudios de representantes tentando explicar os benefícios das medidas concedidas pelo governo. A maioria, no entanto, não estava muito interessada em ouvir e simplesmente ignorava as explicações.

Eles repetem que a redução do preço é “uma enganação” e que, depois de 90 dias, tudo voltará como era antes. Mas, no fundo, o objetivo maior é a “mudança dos rumos do País”, o que significa derrubar o governo. Pelo tom das conversas, as reivindicações saíram do campo econômico e entraram na esfera política. Depois da dimensão que a greve tomou nos últimos dias, os caminhoneiros passaram a acreditar que podem mudar o rumo do País.

Cada um tem uma tese diferente, expressa nas mensagens de WhatsApp. Alguns acreditam que se conseguirem manter a paralisação por mais tempo, o governo atual será obrigado a renunciar. A maioria apoia a intervenção militar. Isso acabou criando uma situação inusitada com o Exército. Alguns vídeos mostram a atuação dos soldados acionados para liberar as estradas. Eles foram recepcionados com palmas e continência pelos caminhoneiros.

As fake news também são fartas nos grupos. No sábado, circulavam vídeos com informações de que o governo cortaria energia elétrica de todo o País se a greve não chegasse ao fim ou de supostos áudios de integrantes do governo criticando a condução da greve. Também ganhavam simpatia dos grupos teses sobre uma possível intervenção militar. Numa delas, eles afirmavam que a Constituição Federal dava prazo de 7 dias e 6 horas de paralisação para que o Exército assumisse o poder.

A cúpula das Forças Armadas avalia que a situação da greve dos caminhoneiros é “muito delicada” e que o quadro se agravou no domingo. Comandos de todo o País têm feito duas reuniões diárias e consideram que esta segunda-feira será um dia crucial para medir a temperatura do que está por vir.

Os militares temem a adesão de novas categorias e consideram que isso poderá trazer novo complicador à situação. Pela segunda vez, em menos de seis meses, os militares estão preocupados com a posição em que foram colocados, diante da população, por conta de uma nova crise, agora provocada pela paralisação dos caminhoneiros.

A grande preocupação das Forças Armadas é parecer que os militares querem um protagonismo. A avaliação é de que, no processo dos caminhoneiros, todas as medidas foram tomadas de afogadilho, atirando para todos os lados e, ao final, se tornando refém da categoria, deixando claro para o País a péssima sensação de que “está dando tudo errado”.

Os militares observam ainda que é muito ruim o governo estar negociando com a faca no pescoço.

Estadão Conteúdo

Deixe uma resposta