Atlético de Alagoinhas empata com PFC Cajazeiras e volta à elite do Baianão

Publicidade 2
Foto: Reprodução TVE

Depois de cinco anos amargando na segunda divisão do baianão, o Atlético de Alagoinhas está de volta à elite do futebol baiano. Neste sábado (26), o time empatou em  1×1 com o PFC Cajazeiras e, como tinha a vantagem na decisão por dois resultado iguais, o primeiro jogo da decisão terminou em 0x0, se consagrou campeão da segunda divisão do Campeonato Baiano. Além da taça, o time garantiu o acesso para disputar a primeira divisão do Baianão 2019.

O jogo foi decidido nas bolas paradas. Aos 33 minutos do primeiro tempo, o lateral-esquerdo William Fernandes mandou no ângulo e abriu o marcador, deixando mais de 8 mil torcedores calados no estádio Antonio Carneiro. O time soteropolitano comemorava o resultado, mas viu o sonho escapar na segunda etapa.

Aos 25 minutos da segunda etapa, Alessandro Azevedo cobrou falta e mandou na trave. No rebote, Hércules empurrou para o fundo das redes, garantiu o empate, soltando o grito da torcida de campeão e carimbou o passaporte do time de Alagoinhas à elite do futebol baiano.

Apesar de ser um jogo da segunda divisão da Bahia, a partida desse sábado foi bastante movimentada e de um nível técnico que surpreendeu positivamente com as duas equipes tendo postura tática definida e jogando ofensivamente.

Autor do gol salvador, Hércules deixou o gramado do Carneirão muito emocionado. “Somos um grupo muito comprometido e unido. Chegamos ao Atlético com uma missão muito difícil, uma equipe que nunca tinha chegado à final do campeonato e agora é campeão. É muito emocionante e gratificante vê essa torcida feliz. Agora é comemorar, porque foi muito merecido. Ninguém vence sem ter merecimento. Nosso grupo merece demais”, disse em entrevista à TVE.

Quem também celebrou muito gol o técnico Arnaldo Lira, do Atlético. “A sensação é a melhor possível. Já fui campeão da primeira divisão, com o Bahia de Feira, em 2011, e foi a primeira vez que disputei a segunda divisão. Muitos me diziam que era diferente, que não seria a mesma coisa, mas não tem nada de diferente. A diferença é você montar um time bom e ganhar os jogos, e foi o que nós fizemos. Fiquei contente também porque já conquistei todos os títulos possíveis do futebol baiano. Copinha, Torneio Início, primeira e segunda divisões”, celebrou.

Por Marcio Ramos / Jornalista DRT 5202/BA Conselheiro ABI

Deixe uma resposta