Goleiro do Atlético de Alagoinhas pede apoio da torcida na decisão da Série B do Baiano

Publicidade 2
Foto: Divulgação/ Atlético de Alagoinhas

Atlético de Alagoinhas e PFC-Cajazeiras decidem o título da Série B do Campeonato Baiano e o acesso à elite do futebol do estado neste sábado (26), às 16h. O duelo, válido pelo jogo de volta da final, será no estádio do Carneirão, em Alagoinhas. O goleiro Jair conta com o apoio do torcedor para conseguir dar a volta olímpica.

“Sabemos que futebol é jogado e não falado. Respeitamos sempre a equipe do Cajazeiras, porque eles mostraram que são bastante qualificados ao longo da competição. Estamos preparados, treinando firmes e fortes para chegar dentro de casa com o apoio do nosso torcedor e dentro desses 90 minutos possamos dar o nosso melhor e que no final do apito do árbitro possamos estar com a nossa classificação para a Série A do Baiano de 2019”, afirmou em entrevista ao Bahia Notícias.

Após empatar em 0 a 0 no primeiro duelo disputado no estádio de Pituaçu, em Salvador, no mando de campo do adversário, o Atlético tem as vantagens de jogar por mais uma igualdade no placar e em casa. Porém, arqueiro do Carcará não quer pensar nesses detalhes e espera ver seu time propondo o jogo.

“Nossa postura vai ser a mesma de sempre, procurar imprimir o ritmo da partida. A gente esperou muito a equipe deles lá em Pituaçu e acabamos sofrendo um pouco. Então, nós temos que procurar ditar o ritmo. Não vamos nos apegar a vantagem do empate, temos que procurar buscar a vitória à todo custo. Vai ser um jogo aberto. Creio que a equipe deles vai sair para o jogo, não acredito que vão ficar lá atarás. Então vai ser um jogo de duas equipes que vão em busca da vitória”, disse. “Que a partida se desenvolva da melhor forma e que a equipe que jogar melhor nos 90 minutos, que errar menos sairá com a vitória”, finalizou.

Atlético de Alagoinhas e PFC-Cajazeiras terminaram a primeira fase da Série B com a mesma pontuação, 18 pontos conquistados em dez jogos. No entanto, o Carcará marcou dois gols a mais e sofreu dois a menos do que o Lobo-guará.

Fonte: BN

Deixe uma resposta