Estudantes de Alagoinhas e Amargosa apresentam projetos sobre sustentabilidade hídrica nas Conferências Territoriais pelo Meio Ambiente

Publicidade 2

Os es­tu­dantes das es­colas es­ta­duais ligadas aos Nú­cleos Ter­ri­to­riais de Edu­cação de Amargosa (NTE 9) e de Alagoinhas (NTE 18) realizaram, nesta quarta-feira (2), as suas Conferências Territoriais Infantojuvenis pelo Meio Ambiente. A ação, na qual os alunos apre­sentam pro­jetos sobre sustentabilidade hidríca, bem como dis­cutem e trocam ex­pe­ri­ên­cias sobre a água, refere-se a uma das etapas pre­pa­ra­tó­rias para a III Con­fe­rência Estadual In­fan­to­ju­venil pelo Meio Am­bi­ente. O evento estadual, que terá como tema “As es­colas da Bahia cui­dando das águas”, acon­te­cerá ainda neste semestre, em Sal­vador.

O NTE 18 está realizando a sua conferência territorial no Centro de Cultura de Alagoinhas, onde foram instalados 22 estandes de escolas (redes estadual, municipal e privada) de dez municípios: Acajutiba, Catu, Conde, Esplanada, Inhambupe, Olindina, Rio Real, Entre Rios e Pedrão, além de Alagoinhas. A estudante Ananda Cardoso, 14, 9º ano do Colégio Estadual Mário Costa Filho, em Inhambupe (a 168 km de Salvador) fala sobre o projeto “Nosso rio, nossa história” que expõe no evento. “O Rio Inhambupe é o nosso patrimônio natural e está em estado de degradação. Com este trabalho, eu e meus colegas estamos buscando alternativas para a sua revitalização, incluindo a limpeza do lençol freático e o replantio da mata ciliar, entre outras ações, junto à população e autoridades locais. Por meio de duas maquetes, mostramos o rio poluído, em seu estado atual, e o rio revitalizado como desejamos”.

Os estudantes Arianderson Batista, 11, e Vitória da Silva, 13, do Colégio Estadual São Francisco, em Alagoinhas, apresentam o projeto “Água é vida” com o objetivo de conscientizar a comunidade sobre a importância de não desperdiçar esse ele­mento re­le­vante para a sobrevivência do planeta. “Só temos 3% de água doce em todo o planeta, então temos que cuidar dela para não acabar e sem ela não temos vida”, explica Arianderson, acrescentando que por meio de uma maquete de uma estação de tratamento de água. Já Ícaro Santos, 12, 7º ano do Colégio Estadual Brasilino Viegas, mostra o projeto “Caravana do Brasil”, que consiste na proposta de que os estudantes utilizem o ônibus do transporte escolar também como um meio para sensibilizar as comunidades por onde passa sobre a importância da preservação da água.

Aprofundamento do debate – O coordenador de Educação Ambiental e Saúde do Estado, Fábio Barbosa, destaca que as etapas escolar e territorial, preparativas para a conferência estadual, vêm estimulando o aprofundamento do debate das questões socioambientais dos territórios e, em especial, as relacionadas à água. “A participação das nossas escolas tem sido gratificante. Dados do MEC (Ministério da Educação) informam que 1.043 escolas baianas de diferentes esferas administrativas – estadual, municipal e particular – realizaram a etapa escolar. Este número, certamente, coloca a Bahia em uma posição de destaque no cenário nacional de mobilização para a conferência nacional”.

As etapas territoriais, ressalta Fábio Barbosa, já foram realizadas praticamente por todos os NTEs. “Também serão eleitos os delegados e delegadas que representarão os territórios na etapa estadual, em conformidade com o regulamento estadual e teremos a escolha dos projetos prioritários nos territórios. A nossa expectativa é que esses representantes estudantis contribuam para que a discussão não fique limitada ao processo da conferência, ou seja, que consigam promover o enraizamento da Educação Ambiental nas escolas do Estado a partir da colocação em prática dos projetos e que estes não sejam valorizados no aspecto competitivo, mas sim colaborador”, completa.

Fotos: Divulgação

 

Deixe uma resposta