Minha Casa, Minha Vida: com o apoio do poder público municipal, o programa entrega as chaves de 390 unidades para famílias do empreendimento Linha Verde, em Alagoinhas

Publicidade 2
Foto: Reprodução

A Prefeitura Municipal de Alagoinhas participou hoje (24) da concretização de um sonho para as 390 famílias que aguardavam ansiosamente pela entrega das chaves do Empreendimento Linha Verde. Depois de uma espera que se estendia há anos, o governo Joaquim Neto, com apoio do deputado Paulo Azi, mobilizou a equipe técnica da Secretaria de Assistência Social (SEMAS) para agilizar os trâmites legais junto à Caixa Econômica, em Salvador, e garantiu que processo saísse dos papéis: a comunidade, os beneficiados e representantes das instâncias municipais assistiram, neste sábado, à entrega dos imóveis aos contemplados pelo Programa Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal.

“Queria agradecer a Deus, a Alagoinhas, às pessoas que foram beneficiadas, porque elas tiveram entendimento, paciência, porque lá se foram anos desse condomínio, dessa espera e, agora, o Governo Joaquim entrega esse empreendimento para eles”, destacou o Secretário da SEMAS, Alfredo Menezes.

A cerimônia de entrega das chaves contou com a presença do Ministro das Cidades, Alexandre Baldy, que há quatro meses comanda programas como o Minha Casa, Minha Vida, do Governo Federal.

O ministro cumprimentou as famílias e ressaltou a importância da determinação, tanto da população, quanto dos representantes municipais, para que a entrega do empreendimento fosse realizada. Baldy enfatizou também o esforço político do deputado Paulo Azi, que insistiu na luta para a liberação das casas. “Essas obras atrasaram os sonhos de muitos brasileiros. É uma satisfação pessoal ver as famílias recebendo as chaves hoje. Que os homens públicos usem o poder para transformar para melhor a vida das pessoas”, pontuou o ministro.

Para o deputado Paulo Azi, a iniciativa, que torna realidade o sonho de muitos alagoinhenses, faz parte da busca diária da gestão por melhores condições de vida para a comunidade local. “Estou há 1 ano quase diariamente recebendo o telefonema de Alfredinho para resolver esse problema que parecia enterrado e que a Secretaria tentava viabilizar. Dediquei quase 60 milhões em diversas áreas para ajudar o prefeito a trabalhar. O que nós queremos é ajudar o nosso povo a ter uma vida digna e um futuro melhor”, afirmou.

O prefeito Joaquim Neto agradeceu às famílias que estavam na Calu para receber as casas e aproveitou a oportunidade para pedir ao ministro Alexandre Baldy que olhe com atenção especial às necessidades da população de Alagoinhas. “Nós temos, pela portaria 99/2015, o critério do programa, que é o número de inscrições. Aqui no município, ainda temos 13 mil inscritos para atendimento de casas populares. Precisamos de mais casas para a nossa gente”, disse o prefeito, que emendou, “transformamos condições desfavoráveis em condições favoráveis. Vamos continuar lutando por melhorias”.

De acordo com o Superintendente da Caixa Econômica da Bahia, José Gilberto Reis, o programa é uma forma de garantir moradia digna ao cidadão brasileiro e a ação não poderia ser diferente em Alagoinhas. Estiveram presentes o prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo de Carvalho, o prefeito de Camaçari, Elinaldo Araújo, e o presidente da Câmara, Roberto Torres, entre outros vereadores da base.

No âmbito municipal, existem atualmente 8546 unidades do programa Minha Casa, Minha Vida. Durante a cerimônia de hoje, 390 chaves foram entregues aos contemplados e, segundo a SEMAS, os outros 110 beneficiados devem estar com o documento finalizado em um prazo máximo de 15 dias.

Das 390 unidades do empreendimento Linha Verde, 15 são adaptadas para pessoas com necessidades especiais. O valor médio de cada imóvel está estipulado em 60 mil reais. As casas contam com captação de energia solar e possuem 2 quartos, banheiro, sala e cozinha. A Secretaria de Assistência Social informou que os beneficiados possuem renda máxima de R$ 1800 e que foram priorizados idosos, portadores de necessidades especiais, moradores de locais de risco e chefes de família.

“É uma sensação maravilhosa a gente conseguir adquirir a nossa casa, porque é uma dificuldade, para a pessoa que ganha apenas um salário mínimo, ou que não tem renda fixa, então, pra mim, é uma alegria muito grande. Estou muito feliz. Esperava por isso há muitos anos. Quando eu descobri que fui contemplada, foi uma felicidade imensa. Pretendo organizar mais a minha vida, porque agora vai ficar melhor. Agradeço também à Prefeitura de Alagoinhas, por estar entregando esse empreendimento. As casas são lindas. É casa de boneca! A equipe que proporcionou isso está de parabéns. É só felicidade, é só alegria, vamos cortar o bolo”, disse a assistida pelo Centro de Referência de Atendimento à Mulher, Eliete Ferreira de Souza, que morava de favor na casa do irmão e foi contemplada pelo programa.

Para Viviane Santos da Silva, que também recebeu as chaves da casa nova neste sábado, é só alegria. “Vamos mudar logo. Esperamos tanto tempo, né, para sair da casa dos pais, agora é mudar e ser feliz. Somos casados há 23 anos, temos dois filhos, um de 21 e outro de 17, e vai todo mundo para a casa nova”, contou, enquanto aguardava com o marido, Mário Damião Batista. “Tá sendo uma satisfação, graças a Deus saiu do papel e agora é uma realidade”, disse ele.

E o sentimento, que é único e singular, mas também coletivo, da felicidade generalizada na Calu, se multiplica: vem Dona Marinalva, Maria Conceição, Ivone, Rosângela, Antônio, Arlete, Patrícia, Valter, Francisco. 500 novas casas e, a partir deste final de semana, cerca de 2000 pessoas com um novo cantinho e uma oportunidade de construir a partir dali. Na área do parque, as crianças brincam, balançam e esperam a chuva passar. O Secretário que acompanhou a batalha, aplaudido, observa. E a emoção de dentro escorre por fora. A luta continua – ele parece saber. Mas, a partir deste final de semana – lembrou, junto com o prefeito e com representantes do poder público – essas 500 famílias têm agora um motivo concreto para não deixar de acreditar.

Com Secom

Deixe uma resposta