Vitória dá mole e Tremendão empata no último minuto em Feira

Publicidade 2
Mauro Akin Nassor / CORREIO

Para um time que entrou em campo esfacelado, até que o Vitória não vinha fazendo um jogo ruim neste domingo (18). Um triunfo sobre o Bahia de Feira daria ao Leão uma boa vantagem nas semifinais do Baianão. Poderia perder por até um gol de diferença no duelo de volta, sábado (24), às 17h, no Barradão.

Mas o Tremendão não estava em campo para dar mole. Enquanto o rubro-negro tirava o pé no segundo tempo e já projetava a segunda partida, o time de Feira foi crescendo. E no último minuto de jogo, provocou uma tremenda reviravolta: gol contra do Vitória e empate em 1×1.

A principal baixa do Vitória estava no ataque, sem o titular André Lima e o reserva Denílson. Jonatas Belusso, o substituto, aproveitou bem a oportunidade. Abriu o placar aos 43 minutos do primeiro tempo após cruzamento de Juninho e foi a maior ameaça ao gol de Jair durante o jogo.

Nas demais posições, a falta de entrosamento provocada pelos desfalques pesou, sobretudo na defesa. Nas laterais, sem os titulares Lucas e Bryan, os substitutos Zé Welison e Pedro Botelho não foram tanto ao ataque e deram espaço na marcação.

No miolo da zaga, o Vitória mostrou que bambeia quando não tem Kanu, principalmente na bola aérea. Na etapa final, enquanto o Bahia de Feira crescia, Walisson Maia e Ramon foram segurando a onda. Foram dar mole justamente quando não podiam.

Já no minuto final, aos 48 minutos do segundo tempo, numa cobrança de escanteio, Walisson Maia tentou evitar cabeçada de Deon. A bola bateu no seu ombro e venceu o goleiro Fernando Miguel.

O Leão segue com a vantagem, mas ela diminuiu. Agora, o time avança à final se vencer o Bahia de Feira ou conseguir outro empate. Para o time de Feira, será preciso surpreender a todos outra vez.

Deu mole
Os desfalques pesaram também na criação de jogadas. Antes do gol de Belusso, aos 43 do primeiro tempo, o Vitória só havia chegado com perigo ao ataque uma vez. Foi aos 36, quando Nickson cobrou falta na trave de Jair e Neilton completou o rebote, com o gol vazio, para fora.

Dos homens avançados, o único titular era Neilton. E ele perdeu uma chance incrível de marcar o seu 12º gol no ano e, mais importante, deixar o Vitória confortável na partida. No primeiro minuto do segundo tempo, Fillipe Soutto foi derrubado na área. O camisa 10 cobrou no meio do gol, e Jair pegou com os pés.

Outro que pode ter feito falta foi o técnico Vagner Mancini. Punido em cinco jogos por ter forçado o final do Ba-Vi do dia 18 de fevereiro, o treinador acompanhou o jogo do camarote do estádio. O Leão foi comandado pelo seu auxiliar, Anderson Batatais.

Após o pênalti perdido, faltou uma palavra mais ríspida do professor ou uma mudança para acordar o rubro-negro. O Vitória entrou num perigoso torpor, parecendo que a cobrança de Neilton havia aumentado o placar.

Aos poucos, o Bahia de Feira foi chegando. O gol ficou muito claro quando Robert foi lançado na área, ganhou na dividida com Pedro Botelho e chutou cruzado raspando a trave de Fernando Miguel.

Apesar de tudo, o escanteio aos 48 parecia protocolar, mas resultou no empate. Um aviso ao Leão, para que fique ligado no jogo de volta até o final, e que não perca as chances de ampliar o placar.

Fonte: Correio 24h

Deixe uma resposta