Campanha de Vacinação contra Febre Amarela começa na segunda (19) para oito municípios baianos

Publicidade 2
O objetivo é que, pelo menos, 95% da população das oito cidades cidades sejam imunizadas até o dia 9/3
Carol Garcia/GOVBA

A campanha de vacinação contra a Febre Amarela começa na próxima segunda-feira (19) para oito municípios baianos: Camaçari, Candeias, Itaparica, Lauro de Freitas, Mata de São João, Salvador, São Francisco do Conde e Vera Cruz. A meta da Secretaria de Saúde do Estado (SESAB) é que, pelo menos, 95% da população dessas cidades sejam imunizadas até o dia 9/3, quando termina a ação, sendo que no dia próximo dia 24/2, acontece o Dia D da vacinação. A estratégia adotada será a determinada pelo Ministério da Saúde, com a utilização de doses fracionadas.

A vacinação é destinada a pessoas a partir dos dois anos de idade, incluindo indígenas, desde que não apresentem condições clínicas especiais. Todos que já tiverem tomado a vacina ao longo da vida não terão a necessidade de receber nova dose. A intenção da SESAB é proteger o maior número de pessoas contra a Febre Amarela em localidades com grande contingente populacional e que têm evidência de circulação do vírus e risco elevado de transmissão da doença.

Estudos realizados pela Fiocruz/RJ demonstram que a utilização da dose fracionada da vacina protege o indivíduo por pelos menos oito anos. Após esse período, deve ser feito o reforço da imunização. Durante a campanha, a dose padrão será disponibilizada apenas para crianças de nove meses a menores de dois anos de idade; gestantes com indicação escrita do médico; viajante internacional que necessite a emissão do certificado internacional de vacinação e profilaxia; e para pessoas que apresentarem condições clínicas especiais avaliadas pelo serviço de saúde.

Casos de febre amarela – No ano 2000, na Bahia, a Secretaria de Saúde do Estado confirmou dez casos de Febre Amarela Silvestre em pessoas residentes nos municípios de Coribe e Jaborandi. Deste total, três foram a óbito. Estes foram os últimos casos autóctones (quando a infecção acontece no próprio local de residência) registrados no Estado. Em 2018 houve a confirmação de um caso importado de Febre Amarela.

Fonte: A Tarde

Deixe uma resposta