Jornalista baiano e ex-deputado Carlos Alberto Caó morre aos 76 anos

Publicidade 2
Reprodução | YouTube

O jornalista, advogado, militante do Movimento Negro e ex-deputado Carlos Alberto Caó de Oliveira morreu neste domingo, 4, aos 76 anos, no Rio de Janeiro. Entre suas principais contribuições está a autoria da chamada Lei Caó, que transformou o preconceito de raça, cor, sexo e estado civil em contravenção penal, e a emenda constitucional que tornou o racismo crime inafiançável e imprescritível.

Nascido em 1941, em Salvador, Caó foi deputado federal pelo PDT por dois mandatos, entre 1983 e 1991. Em seu segundo mandato, participou da Assembleia Nacional Constituinte.

Como líder estudantil, foi presidente da União de Estudantes da Bahia e vice-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE). Como jornalista, passou pelas redações do Diário Carioca, da Tribuna da Imprensa, de O Jornal, do Jornal do Comércio, da TV Tupi e do Jornal do Brasil.

Após tomar conhecimento da notícia, o governador Rui Costa emitiu uma nota de pesar em sua página no Twitter na manhã desta segunda-feira, 5. 

Rui escreveu que “a Bahia se despede de Carlos Alberto Caó de Oliveira. Baiano de Salvador, o ex-deputado constituinte foi responsável pela inclusão, na Constituição Federal de 1988, do inciso que tornou racismo crime inafiançável”, lamentou

Com A Tarde

Deixe uma resposta